Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vida Extra

Aventuras e desventuras no universo dos videojogos.

Vida Extra

Aventuras e desventuras no universo dos videojogos.

Consola de cartão ou pepita de ouro?

Nintendo Labo pode parecer uma ideia descabida, mas a maioria das pessoas não está a ver o potencial enorme que se esconde neste conceito.

 

Piano construído com o Nintendo Labo

 

É motivo de chacota um pouco por todo o lado, entre gamers e também entre meros curiosos. O próximo grande lançamento da Nintendo é... cartão.

 

Sim, cartão de papel. Daquele usado para embalar as mais variadas coisas.

 

Mais precisamente, é um conjunto de jogos que inclui uma série de acessórios de cartão que o jogador deve destacar, dobrar e montar para depois jogar. Com a ajuda de alguns elásticos e cordéis conseguem-se coisas muito interessantes. Podem ver o conceito em ação no vídeo de apresentação da Nintendo:

 

 

Mas as críticas são muitas: o preço é elevado (70€ para o Kit Sortido e 80€ para o Kit Robô), o cartão é frágil e por isso vai-se estragar num instante, os jogos são básicos...

 

Será mesmo assim?

 

O preço pode de facto parecer elevado e afastar alguns potenciais compradores, mas eu disse o mesmo sobre o preço da Switch e as vendas foram um sucesso.

 

Quanto à fragilidade do cartão é que já discordo. Não é por acaso que a maioria dos produtos são embalados e transportados em caixas de cartão: é um material bastante resistente e suficientemente flexível para resistir a uns bons amassos. O plástico pode parecer mais rijo e durável, mas a verdade é que facilmente parte ou dobra. E quem já experimentou o Nintendo Labo diz que o cartão usado é resistente e adequado.

 

Obviamente que todo o parágrafo anterior deve ser ignorado por quem tem gatos.

 

Quanto aos jogos serem básicos...

 

É aqui que a maioria das pessoas está a ver mal a coisa. E é um erro perfeitamente aceitável. É que a Nintendo quase que escondeu o verdadeiro valor do Nintendo Labo.

 

Isto não é um pequeno conjunto de jogos simples com acessórios de cartão. Isso é só a introdução ao conceito. Discretamente, no meio dos vários mini-jogos do Nintendo Labo, está o modo "Toy-Con Garage". E é aí que as coisas se tornam interessantes.

 

O modo "garagem" é nada menos que uma interface visual e simples que permite programar as ações e reações dos comandos e do ecrã da consola. E as opções são muitas. Os comandos da Switch não têm apenas botões, têm também acelerómetros, microfone, sensor de infravermelhos e muito mais.

 

Quando aliamos esta panóplia de opções e a possibilidade de as programar de forma simples com a manuseabilidade do cartão, temos uma plataforma que nos permite construir todo o tipo de maquinetas, brinquedos e jogos que conseguirmos imaginar. É esse o foco dos vídeos mais recentes da Nintendo:

 

 

É por isso que os acessórios do Nintendo Labo são de cartão. É para ser fácil acrescentar, reconstruir ou criar algo de novo, praticamente sem custos ou dificuldade.

 

O surgimento recente das impressoras 3D permitiu o desenvolvimento de uma comunidade "maker": inventores que agora facilmente podem prototipar as suas criações em formato físico. Mas o cartão já era usado antes disso. A própria Nintendo usou cartão para alguns protótipos da Wii U e a Google usou o mesmo conceito para o seu primeiro visor de realidade virtual, para além de estar atualmente a vender alguns produtos de cartão. É muito mais barato e acessível que uma impressora 3D.

 

Protótipo de cartão da Nintendo Wii U (fonte: Gamasutra.com)

 

E não custa imaginar que rapidamente surjam comunidades online de pessoas a partilhar ideias, projetos e planos para imprimir e recortar novas peças e criar novas construções.

 

Tudo isto é uma excelente plataforma para pôr crianças e adultos a "aprender a construir". Uma evolução natural do "aprender a programar", que devia ser para todos.

 

Resta saber se todo este potencial se vai concretizar. O Nintendo Labo pode acabar por ser uma moda passageira. Nem sequer é a primeira "plataforma" do género. A Lego tem a sua linha Mindstorms e muitas outras marcas têm ofertas mais ou menos parecidas.

 

Mas o potencial está lá. E de uma forma extremamente simples e acessível. Desse ponto de vista é possivelmente o melhor produto do género que conheço. E merece no mínimo a nossa atenção.

publicado às 10:27

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.