Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vida Extra

Aventuras e desventuras no universo dos videojogos.

Vida Extra

Aventuras e desventuras no universo dos videojogos.

Jogador expulso por apoiar protestos em Hong Kong

O mundo pertence à China. Ou pelo menos está cada vez mais perto disso. O que me leva a dizê-lo não é nenhuma análise macroeconómica. Não. O maior indicador são as pequenas coisas.

 

Foto de Ng Wai Chung - jogador de Hearthstone

 

A Blizzard é uma das maiores produtoras de videojogos do mundo, criadora de sagas de renome como Warcraft, Starcraft, Diablo e, mais recentemente, Overwatch. E também Hearthstone, um título menos conhecido mas igualmente popular, que é uma espécie de Magic: The Gathering em formato digital.

 

Está atualmente a decorrer o campeonato Hearthstone Grandmasters: uma espécie de Liga dos Campeões onde competem os melhores jogadores mundiais de Hearthstone. Ao todo a competição atribui 500.000 dólares em prémios. Os jogos são transmitidos pela internet, bem como todo o tipo de conteúdos relacionados, sejam entrevistas, comentários ou biografias dos jogadores.

 

E foi no passado dia 6 de outubro que, numa entrevista após uma partida em Taiwan, o jogador Ng Wai Chung colocou uma máscara à semelhança dos manifestantes em Hong Kong e exclamou "Libertem Hong Kong".

 

 

Podia ter sido um pequeno episódio rapidamente esquecido... só que a Blizzard resolveu agir.

 

Ng Wai Chung foi rapidamente desqualificado da competição, perdendo direito a 4.000 dólares de prémios que já tinha acumulado. O motivo oficial foi ter violado uma regra que proíbe os atletas de fazer qualquer coisa que "cause ofensa a uma parte ou grupo do público ou que, de alguma forma, prejudique a imagem da Blizzard". Uma punição dura para quem só manifestou o desejo de liberdade.

 

Mas não foi só. O atleta foi ainda banido de futuras competições durante um ano. Uma punição que começa a ser exagerada.

 

Mas não foi só. Os dois apresentadores que estavam a conduzir a entrevista foram despedidos. E aqui já exagerámos no exagero.

 

Como podem imaginar, esta situação não passou despercebida e as críticas choveram. Não só entre os jogadores mas também um pouco por toda a indústria e entre políticos americanos Democratas e Republicanos. Até alguns empregados da Blizzard fizeram uma manifestação de protesto á porta da sede da empresa, chamando a atenção para dois dos 8 valores que a própria Blizzard assume como sua missão:

 

- "Todas as vozes são importantes", em que a empresa encoraja todos os seus empregados a pronunciarem-se e a ouvirem as opiniões e críticas dos outros.

 

- "Pensar global", em que a empresa se compromete a apoiar a sua comunidade de jogadores mesmo apesar das diferenças culturais.

 

E com este expectável "efeito Streisand", porque é que a Blizzard teve uma reação tão drástica?

 

Dinheiro. Muito.

 

A China é um dos maiores mercados do mundo para a indústria dos videojogos. E, para além de grande, continua em crescimento. E a China não é um mercado livre. Para operar na China, as empresas estrangeiras têm de obedecer a uma série de regras e operar em conjunto com empresas chinesas. E a autorização para operar na China pode ser revogada a qualquer momento, se as autoridades do país assim entenderem.

 

É, portanto, normal que a Blizzard não queira que nada nos seus jogos ou eventos possa perturbar as autoridades desse mercado tão importante. Mesmo que isso implique ser permeável aos seus próprios valores ou à Constituição do seu país de origem.

 

Foram as autoridades chinesas que exigiram à Blizzard que tomasse medidas? Duvido, mesmo que algumas teorias da conspiração apontem para o facto de uma das maiores empresas tecnológicas chinesas - a Tencent - ser dona de 5% da empresa.

 

Não. A verdade é que a importância do mercado chinês é tal que este tipo de reação se tornou natural e instintiva. Não queremos importunar, nem mesmo quando se trata de direitos fundamentais.

 

São as pequenas coisas que mostram a influência que a China conseguiu conquistar sobre o capitalismo ocidental.

 

E isto não terá sido um caso isolado?

 

Apenas um dia antes deste caso, Daryl Morey, o diretor da equipa americana de basquetebol Houston Rockets, publicou na sua conta do Twitter uma mensagem de apoio aos protestos em Hong Kong. Daryl Morey apagou o seu tweet. Daryl Morey pediu desculpa. A NBA publicou uma declaração a criticar Morey. Morey pode vir a ser despedido.

 

A abertura do mercado Chinês não é só uma oportunidade económica. É também uma oportunidade de tentar influenciar positivamente as políticas restritivas do país, rumo a um futuro mais aberto. Infelizmente, parece que estamos a assistir ao percurso inverso.

publicado às 17:40

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.