Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Vida Extra

Aventuras e desventuras no universo dos videojogos.

Vida Extra

Aventuras e desventuras no universo dos videojogos.

Piratas de jogos e jogos de piratas

O site da Carbon Games foi bloqueado pelas autoridades competentes. Só que ninguém percebeu quem eram essas autoridades nem porque é que o site foi bloqueado. Os donos do site nem sequer sabiam. Estranho? Não. É mesmo assim que funciona.

 

Carbon Games

 

"Não é um bug, é uma feature."

 

Em Portugal há várias entidades mais ou menos oficiais que podem pedir o bloqueio do acesso a sites, fazendo com que os internautas portugueses deixem de lhes poder aceder. É algo que à primeira vista apenas um tribunal poderia fazer mas que, em nome de um mais eficiente combate à pirataria informática, foi delegado em "agentes", que já mandaram bloquear alguns dos principais sites de distribuição ilegal de conteúdos digitais.

 

Então esse tal site Carbon Games deve ser um antro de pirataria de jogos, certo? Nem por isso. A Carbon Games é um estúdio de desenvolvimento de jogos americano, formado por alguns veteranos da indústria que já trabalharam em franchises como Unreal Tournament ou Splinter Cell. O seu jogo AirMech Arena foi lançado para a PlayStation 4 e Xbox One pela Ubisoft, uma das 10 maiores editoras de videojogos do mundo.

 

 

Mas então foi bloqueado porquê?

 

Uma das teorias lançadas por utilizadores no Reddit foi que seria por causa de uma promoção feita no site com o tema "Semana dos Piratas", em que lançaram vários conteúdos para o jogo relacionados com o imaginário dos piratas dos sete mares. Ou seja, devem ter confundido Piratas de Jogos com Jogos de Piratas. É uma explicação imbecil; mas considerando que tinham bloqueado o site www.carbongames.com mas que o site carbongames.com (sem o www) tinha-se mantido acessível, se calhar até era possível.

 

Carbon Games Pirate Week

 

Mas não. À medida que o borburinho aumentava na Internet o Mapinet - responsável pelos pedidos de bloqueio a sites de pirataria - veio esclarecer que não tinha nada a ver com este caso.

 

O motivo, veio a descobrir-se, afinal foi outro. Há um site de apostas online e jogos de azar chamado Carbon Gaming. Com a nova legislação sobre o jogo online, este site também passou a ser ilegal e o SRIJ é a entidade responsável por pedir o bloqueio do acesso a este tipo de sites. Alguém deve ter confundido os nomes e pediu para se bloquear o site errado. Em vez do Carbon Gaming bloqueou-se o Carbon Games. Confundiram "o jogo" com os videojogos.

 

Carbon Gaming

 

Podemos dizer que a situação não foi grave. O impacto sobre a atividade da Carbon Games foi mínimo, pois Portugal deve ser uma gota de água entre todos os seus utilizadores. Nem tinham reparado no problema. Mas podia ter tido grande impacto noutra empresa menor ou mais dependente dos acessos nacionais. E sobretudo vem dar corpo às queixas de quem desde sempre insiste que este tipo de ordens de bloqueio só devem ser dadas pelos tribunais. Senão torna-se algo muito parecido com censura. E mesmo que seja por uma boa causa, censura continua a ser uma coisa má.

 

Neste caso não foi censura. Foi apenas um erro. Mas o resultado final foi o mesmo. Bloqueou-se o site errado porque ninguém confirmou se o site era mesmo para bloquear.

 

O caso da Carbon Games não vai ficar por aqui. O mais recente desenvolvimento é que o Bloco de Esquerda entregou ao Ministério da Cultura um pedido para alteração do Decreto-Lei em causa. Seria interessante que um pequeno site de jogos acabasse por reverter esta lei, ou pelo menos acautelar que é aplicada com o cuidado exigível.

publicado às 16:19

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.