Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Vida Extra

Aventuras e desventuras no universo dos videojogos.

Vida Extra

Aventuras e desventuras no universo dos videojogos.

O apocalipse emocional

As discussões sobre adaptações de videojogos ao cinema e vice-versa costumam resumir-se à (geralmente fraca) qualidade das mesmas. O problema, se calhar, está na abordagem: "adaptar" é redutor para ambos os meios. Sobretudo porque são meios com características únicas.

 

Mas essa abordagem parece estar a mudar. Aos poucos surgem produtoras conscientes das diferenças fundamentais na narrativa e envolvência possíveis em cada meio.

 

Um exemplo será a Annapurna Pictures, que em dezembro passado anunciou que iria passar a publicar também videojogos. Não videojogos baseados nos seus filmes, mas videojogos com a sua identidade própria.

 

Um novo exemplo surgiu esta semana, de um estúdio relativamente desconhecido mas fundado por grandes veteranos da indústria dos videojogos.

 

Imagem da curta-metragem "Elegy"

 

Hinterland Studio tem estado a trabalhar no jogo The Long Dark. Este primeiro título da empresa coloca o jogador numa luta pela sobrevivência num cenário pós-apocalíptico. Até aqui parece do mais cliché possível num videojogo. Só faltam os zombies e os tiros. Mas não.

 

Em The Long Dark é preciso sobreviver à força da Natureza. Ao frio, à fome, ao desespero. O jogo é implacável, pois começamos no meio do nada e não existem "poderes especiais". É possível morrer de frio passados poucos minutos de jogo. Enquanto videojogo, transmite na perfeição a fragilidade do ser humano fora dos confortos da civilização. E a componente narrativa também parece estar bem encaminhada. Vejam este fantástico trailer de lançamento:

 

 

O jogo captou a atenção de Jeremy Bolt, produtor dos filmes baseados em Resident Evil. E esqueçam por momentos as opiniões que possam ter sobre estes filmes protagonizados por Milla Jovovich: a verdade é que é uma das mais duradouras e rentáveis séries de filmes baseados em videojogos.

 

Bolt adquiriu os direitos para uma adaptação ao cinema de The Long Dark. O anúncio foi feito na passada segunda-feira e, para quem tivesse dúvidas da qualidade expectável para o filme, foi lançado um trailer. Um trailer que não é bem um trailer. É uma curta-metragem. Ou, nas palavras de Bolt, um poema visual.

 

E é narrado por Christopher Plummer.

 

E é absolutamente extraordinário e imperdível.

 

 

Os videojogos também estão a evoluir na sua capacidade narrativa e exploração dos elementos emocionais e contemplativos, reforçando o impacto que têm no jogador, reforçando o seu próprio valor artístico. E creio que é isso que está a facilitar as adaptações dos jogos ao cinema e do cinema aos jogos.

 

Sugestão de leitura: A Rolling Stone tem um excelente artigo sobre o que é um videojogo. É escrito pela criadora de "Walden, A Game", um título que replica a obra "Walden" de Henry David Thoreau em formato de videojogo. É um ótimo texto sobre o potencial dos videojogos enquanto meio artístico.

publicado às 10:29

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.