Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Vida Extra

Aventuras e desventuras no universo dos videojogos.

Vida Extra

Aventuras e desventuras no universo dos videojogos.

Nenhuma criança foi maltratada na criação deste jogo

A mãe de Isaac é uma maníaca religiosa que começa a ouvir a voz de Deus. E Deus diz-lhe que ela tem de sacrificar o seu filho para provar a sua fé. Isaac apercebe-se e foge em terror para a cave da sua casa. Na escuridão, Isaac terá de enfrentar os seus medos e os demónios enviados pela sua mãe. Ou serão enviados pela sua imaginação?

 

the binding of isaac.jpg

 

Esta é a premissa e ponto de partida do jogo independente The Binding of Isaac, no qual controlamos o assustado rapaz ao longo das várias masmorras da sua cave, lutando contra os monstros que o perseguem e tentando sobreviver.

 

The Binding of Isaac chegou à App Store esta semana. Chegou mas não entrou.

 

E porquê?

 

O que acontece a Isaac no jogo é cruel e violento. E as regras da Apple para a App Store proíbem alguns tipos de conteúdos, entre os quais a "representação de violência sobre crianças". Ora, portanto, todo o jogo vai contra esta regra e não há alteração que o autor possa fazer para contornar este bloqueio.

 

Estamos perante um clássico histerismo de "alguém proteja as crianças". Esta proibição não faz sentido. Obviamente que ninguém com uma mente equilibrada, nem muito menos a Apple, quer ver na App Store conteúdos que explorem ou incitem à violência, muito menos sobre crianças. Mas não é disso que se trata. Estamos, sim, perante uma obra artística que reflete e denuncia a violência sobre crianças e os aspetos negativos da religião. E isso é totalmente diferente.

 

Tenho a certeza que nenhuma criança foi maltratada na criação deste jogo, tal como nos filmes, onde costumamos ler que "nenhum animal foi maltratado na produção deste filme". O jogo apenas reflete uma realidade horrífica e desconcertante. E se olhamos para o espelho e não gostamos do que vemos... a culpa não é do espelho. E proibir os espelhos não resolve nenhum problema.

 

A Apple pode fazer isto?

 

Claro. A Apple tem todo o direito de decidir o que quer e o que não quer ver na sua loja. E este caso parece ser mais um erro de avaliação do que um sintoma de excesso de zelo. Se bem que a Apple já tem algum historial, tendo recusado o jogo Papers Please por causa de uma imagem pixelizada que mostrava os contornos de um corpo numa máquina de raios-x. Essa proibição foi entretento levantada.

 

papers please scanner

 

Será que a Apple vai emendar este erro? Ou sequer aceitar que se trata de um erro? Não sabemos. Mas se quiserem manter a proibição a este jogo então sugiro que sejam consistentes. Eis uma lista de produtos à venda nas plataformas da Apple que também contêm representações de violência contra crianças:

 

  • The Walking Dead
    O jogo da Telltale segue uma história diferente da banda desenhada e série de TV, onde os protagonistas são um presidiário e uma menina. Escusado será dizer que a criança está constantemente em situações de vida ou morte.

 

  • Harry Potter
    Tentaram matá-lo quando ainda era bebé. Acho que basta dizer isto.

 

  • Game of Thrones
    Jaime Lannister empurra uma criança (Bran Stark) de uma janela abaixo logo no primeiro episódio. Stannis Baratheon queima a própria filha na fogueira. E por aí adiante...

 

  • A lista de Schindler
    Um visão sobre o Holocausto, baseada em factos reais, que mostra atrocidades variadas.

 

 

 

 

  • Qualquer dos contos de Anderson
    Os originais, não aquelas versões adocicadas da Disney. As memórias mais deprimentes da minha infância são os contos de Anderson.

 

Ah! E, caso não tenham reparado, a história de The Binding of Isaac é adaptada da personagem homónima da Bíblia.

 

publicado às 11:24

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.