Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Vida Extra

Aventuras e desventuras no universo dos videojogos.

Vida Extra

Aventuras e desventuras no universo dos videojogos.

A realidade virtual da PlayStation chega hoje às lojas. Falamos nisso amanhã...

O capacete de realidade virtual da Sony - o PlayStation VR - chega hoje às lojas. Mas só daqui por algum tempo é que vai valer mesmo a pena discutir o assunto.

 

O capacete PS VR visto de lado

 

A realidade virtual tem o potencial de mudar a forma como olhamos e vivemos o entretenimento. Não é como ver um filme com óculos 3D. É algo radicalmente diferente. Tão diferente que gera novas formas de interagirmos uns com os outros, com os videojogos e filmes, e também com algo de novo que mistura e eleva o que de melhor os filmes e os videojogos têm.

 

Mas já existem no mercado várias soluções de realidade virtual. Porquê a fixação no capacete da PlayStation?

 

Porque de momento existem dois tipos de oferta nos dispositivos de realidade virtual:

 

  • Os "visores" para usar com o telemóvel, como o Google Cardboard, que são extremamente baratos (enfim, nem sempre mas a ideia é essa) mas não permitem um tipo de experiência tão imersivo e evoluído. Um visor destes pode custar menos de 15€ porque usa o smartphone que o utilizador já tem para fazer quase tudo, permitindo assim assistir a vídeos em 360º e alguma interação básica em ambientes tridimensionais.

 

  • Os capacetes de "alta tecnologia", nomeadamente o Vive da HTC e o Oculus Rift do Facebook. Estes são muito mais avançados, permitindo detetar a posição e deslocação do utilizador numa área e usando controladores especiais para detetar os movimentos das suas mãos. Só que são muito mais caros: custam entre os 700€ e os 900€ e ainda precisam de um computador topo de gama, na ordem dos 1.000€, para funcionarem corretamente (embora a Oculus tenha na semana passada baixado estes requisitos para um valor de 500€). Mas a diferença na qualidade e tipo de experiências é enorme. Estes são os topo de gama, essenciais para experimentar todo o potencial da realidade virtual.

 

Resumindo, temos os visores baratos mas que servem sobretudo para experiências tipo app de telemóvel e os capacetes topo de gama que são demasiado caros para terem uma grande adopção.

 

O PlayStation VR vem colocar-se no "meio onde está a virtude". É um dispositivo high-tech, com a qualidade de construção e design a que a Sony nos habituou, mas com um custo bastante menor (entre os 400€ e os 500€) e que para funcionar precisa apenas de uma consola PS4 (que custa atualmente 299€). No total é um custo bastante inferior aos Oculus Rift e HTC Vive para uma experiência muito superior à dos visores para telemóvel.

 

Mas a vantagem não é só esta. Sendo um produto da Sony existe todo um catálogo de filmes e jogos conhecidos que podem ser desenvolvidos ou adaptados para a plataforma. E existe toda a cadeia de marketing, distribuição e venda que a Sony já usa para os seus dispositivos eletrónicos, consolas, jogos, filmes...

 

O PlayStation VR é o primeiro dispositivo de realidade virtual para as massas que reune todas as características para fazer este novo meio atingir o seu potencial. Porque para a realidade virtual se tornar esse novo horizonte de expressão artística e interatividade, é preciso que este tipo de produtos tenham sucesso. É preciso que as pessoas experimentem e gostem e comprem e continuem a usar. E em grande número. Caso contrário não haverá mercado suficiente para que os criadores de jogos e outro software consigam recuperar o investimento de criar novas experiências. Sem isso este novo meio irá secar e desaparecer.

 

E é por isso que a discussão que vale a pena ter sobre este tema não é para hoje mas sim para "o amanhã". O hoje é um pouco como a abertura das urnas em dia de eleições. Ainda falta os eleitores aparecerem para votar. Ainda falta fechar as urnas e contar os votos. Só depois vamos ter a noção de como as coisas vão evoluir.

 

Vamos ver como é a adesão do público à realidade virtual. Falamos amanhã.

publicado às 11:20

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.